Bolinho de chuva!!! Sem glúten!!!

Bolinho de chuva é a pedida perfeita para uma tarde chuvosa de inverno, acompanhada de um bom café.

Além de saboroso ele é bem fácil de ser preparado sem glúten e todo mundo adora.

Essa receita leva ingredientes simples, basta misturar todos e fritar.

Acompanhe abaixo a receita:

Bolinho de chuva sem glúten

Ingredientes:

Modo de preparo:

  1. Misture os ingredientes secos, passe numa peneira e reserve;
  2. Em bowl misture o leite e o açúcar ;
  3. Adicione o ovo e bata bem para misturar tudo;
  4. Adicione aos poucos a farinha, misturando muito bem;
  5. Por ultimo adicione o fermento;
  6. Fritar em óleo quente (175 graus), “pingando” a massa na frigideira com o auxílio de uma colher;
  7. Passar numa mistura de açúcar e canela antes de servir;

Gostou da receita? Cadastre-se e receba nossas novidades:

 

botao-de-inscricao


Gostou do post? Fez a receita do bolinho de chuva? Tem alguma dúvida?
Deixe seu comentário no final do post que respondo o mais rápido possível.

Pão de hamburguer sem glúten e sem leite

O hamburguer é adorado por muitos, principalmente as crianças. 

Aproveitando que hoje, 28 de maio, é o Dia Mundial do Hamburguer, essa vai ser a receita de segunda feira.

Claro que antes vamos contar um pouquinho de história. Essa foi retirada do blog Fatos Desconhecidos

Antes mesmo de receber seu famoso nome, esse bifes diferenciados que usamos loucamente em sanduíches, já existiam mas, claro, que em uma versão mais rústica.

Dizem que os primeiro hambúrgueres foram originados devido ao costume nômade dos tártaros, no séculos 12 e 13, de carregar a carne crua embaixo das celas de seus cavalos.

Conforme os historiadores, quando esses bárbaros paravam para comer, a carne já havia virado uma pasta e, nem por isso, era desperdiçada.

Mas, a sensação da América só chegou aos Estado Unidos na segunda metade do século 19, levados por alemães, que embarcavam no porto de Hamburgo.

Daí a carne chegou ao “novo continente” com o nome de hamburg steak (ou bife de Hamburgo) e foi primeiramente consumida, em larga escala, pelos marinheiros americanos.

Depois disso, já no século 20, foram as classes trabalhadoras, de forma geral, que acolheram a novidade.

Além de baratos, esses alimentos eram saborosos, rápidos e práticos, da forma como o ritmo da explosão industrial do país pedia.

E foi a partir dos Estados Unidos que o hambúrguer conquistou o mundo.

Mas vamos ao que interessa, essa receita de pão para hamburguer não leva glúten e nem leite e é muito prática de fazer.
Ela faz parte das receitas do livro “Pães sem glúten – by Johnny Gourmet!” :

Conhece o e-book de Receitas sem glúten by Johnny Gourmet???Receitas de pães sem glúten com mix mais naturais e simples de se fazer em casa… Acesse e saiba mais!!!


Pão de hamburguer

Ingredientes:

  • 100g de farinha de arroz;
  • 50g de fécula de batata;
  • 30g de polvilho doce;
  • 20g de polvilho azedo;
  • 10g de goma xantana;
  • 5g de fermento biológico seco;
  • 10g de açúcar;
  • 10g de sal;
  • 30g de óleo;
  • 10g de vinagre de maçã;
  • 2 ovos;
  • 100g de água;
  • Farinha de arroz para sovar a massa;

Modo de preparo:

1.Misturar todos os secos, exceto o sal;

2.Na batedeira, velocidade baixa, adicionar metade da água;

3.Adicionar o óleo, os ovos e o vinagre;

4.Dissolver o sal no restante da água;

5.Aumentar a velocidade da batedeira e misturar bem por 4 a 5 minutos.

6.Retirar a massa da batedeira e sovar delicadamente em uma superfície enfarinhada;

7.Quando a massa estiver bem uniforme, formar uma bolinha e deixar crescer coberta por um plástico por pelo menos 1 hora e 30 minutos;

8.Após crescer, dividir em 8 partes;

9.Em uma bancada enfarinhada,fazer bolinhas uniformes, deixando as emendas da massa para baixo;

10.Distribuir em uma forma untada e enfarinhada e pincelar ovo batido em cima da massa;

11.Levar ao forno pré-aquecido a 170 graus por 20 minutos;

 Rendimento: 8 pãezinhos de 60 gramas

 

DICAS: 

Se quiser pãezinhos com uma casquinha dourada, pincelar um ovo batido antes de assar.

 

Gostou da receita?

Ela faz parte das receitas do livro “Pães sem glúten – by Johnny Gourmet!” :

Esse e-book foi escrito pra você!!! Receitas de pães sem glúten com mix mais naturais e simples de se fazer em casa…

Coxinha sem glúten e sem leite!!!

A coxinha é muito conhecida e apreciada no Brasil. É a legítima comida de festinhas infantis e botecos.

Reza a lenda que a coxinha tem origem na corte portuguesa.

O francês Lucas Rigaud, cozinheiro da trisavó da princesa, d. Maria I, publicou no livro Cozinheiro moderno ou nova arte de cozinha, de 1780, uma receita de “coxas de frangas ou galinhas novas” empanadas e fritas.

Antonin Carême chegou ainda mais perto da versão atual da coxinha no livro L’Art de la cuisine française au XIXème Siècle.

Seu croquette de poulet (croquete de frango) deveria ser moldado em forma de pera.

O certo é que aqui no Brasil, qualquer boteco que se preze tem a coxinha no seu cardápio.

Nas festinhas de criança, nunca falta a coxinha entre os salgadinhos a disposição.

E foi a partir dessa dificuldade, que precisei criar a receita que compartilho hoje aqui no blog.

Como todos os pais de crianças celíacas, cada festinha temos que montar o kit pra levar pra festa.

É brigadeiro, esfiha, pastel, bolo. Mas a coxinha sempre foi difícil, ou quando tinha a disposição era muito cara.

Essa receita é extremamente barata e também prática de se preparar, vai dar um pouquinho de trabalho, mas no final o resultado compensa.



Coxinha de frango sem glúten

Ingredientes:

  • 200g de batatas;
  • 50g de polvilho doce;
  • 100g de farinha de arroz;
  • 250ml de caldo de frango ou legumes;
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva;
  • Sal a gosto;
  • Frango desfiado e temperado para o recheio;

Modo de preparo:

1. Cozinhar as batatas até ficarem bem macias;

2. Misturar as farinhas e o sal e reservar;

3. Esquentar o caldo de frango (se for caseiro, melhor ainda. Fuja dos caldos industrializados);

4. Adicionar o azeite para dissolver no caldo;

5. Espremer as batatas e levar ao fogo junto com o caldo. Misturar bem;

6. Ir adicionando farinha aos poucos;

7. Ir mexendo sempre a panela, para que a massa não grude no fundo;

8. O ponto é quando ela começa a soltar inteira da panela, com a massa bem uniforme;

9. Agora vem a parte mais complicada da receita. Tirar do fogo e, ainda quente, sovar a massa numa bancada enfarinhada;

10. Deixar a massa bem uniforme. Ir separando bolinhas pequenas, abrir em discos, colocar o recheio e fechar no formato da coxinha.

11. Empanar com ovo e farinha de rosca sem glúten;

12. Podem ser guardadas congeladas por até 3 meses

Rendimento: 12 coxinhas pequenas

DICAS: 

Ideal levar as coxinhas ao freezer por uns 30 minutos antes de fritar, ou então fritar elas ainda congeladas.

Passar um pouquinho de azeite nas mãos para facilitar na hora de moldar as coxinhas, assim a massa não gruda nas mãos.

O óleo pode estar na temperatura de aproximadamente 180 graus.

 Tem vários vídeos no youtube ensinando a fechar a coxinha, um que eu gosto é esse AQUI!

Gostou da receita? Cadastre-se e receba nossas novidades: 

botao-de-inscricao


Gostou do post?  Tem alguma dúvida? Deixe seu comentário no final do post que respondo o mais rápido possível.

Receita do Chef: Pastel sem glúten e sem leite!!!

Segunda é dia de receita do chef, e hoje vamos com o pastel, que 10 entre 10 brasileiros gostam.

Já tinha postado aqui no blog uma receita de pastel sem glúten, aqui. 

Também é uma boa receita, mas essa que eu trago hoje, é adaptada da minha receita de massa fresca sem glúten.

Ela fica uma massa relativamente fácil de abrir, da pra deixar bem fininha e assim o pastel fica bem crocante.

A cachaça usada na massa, serve pra fazer as bolhinhas de ar se formarem enquanto frita os pastéis

 

De tão boa a receita, vou chamar aqui de pastel de feira.


Receitas como essa, você também encontra no livro “Pães sem glúten – by Johnny Gourmet!” :Conhece o e-book de Receitas sem glúten by Johnny Gourmet???Receitas de pães sem glúten com mix mais naturais e simples de se fazer em casa… Acesse e saiba mais!!!


Pastel de Feira

Ingredientes:

  • 100g de farinha de arroz;
  • 100g de fécula de batata;
  • 50g de polvilho doce;
  • 8 g de mix de goma xantana e goma guar;
  • 25g de azeite de oliva;
  • 5g de sal;
  • 1 colher de sopa de cachaça;
  • 3 ovos;
  • Água para dar ponto, se necessário;

 

Modo de preparo:

1.Misturar todos os secos;

2.Adicionar o azeite e a cachaça;

3.Adicionar os ovos e misturar bem com uma colher e complementando com as mãos para ter certeza do ponto;

4.A massa deve ter uma consistência firme, mas não pode ficar grudenta, tem que ser moldável;

5.Caso esteja muito dura, ir adicionando água aos poucos até dar ponto;

6.Sovar bem a massa e fazer uma bolinha. Enrolar num filme plástico e levar a geladeira para descansar por uns 30 minutos;

7.Com auxílio de um cilindro, abrir a massa usando farinha para não grudar;

8.Quando a massa estiver bem fininha, está pronta para fazer os pastéis;

9.Adicionar o recheio de sua preferência e fritar em óleo quente (aproximadamente 180 graus)

Rende: 50 pastéis pequenos.

 

Gostou da receita? Cadastre-se e receba nossas novidades: 

botao-de-inscricao


Gostou do post?  Tem alguma dúvida? Deixe seu comentário no final do post que respondo o mais rápido possível.

Biscoito Savoiardi – A história e a receita sem glúten do biscoito base do tiramisú!!!

O biscoito Savoiardi, também conhecido no Brasil como biscoito champagne, é um biscoito leve e de forma alongada.

O biscoito tem origem italiana e é utilizado para fazer o verdadeiro tiramisu.

A história dessa receita, assim como de várias outras tem várias versões e várias lendas a respeito.

Como eu estou vivendo e estudando no Piemonte, na região noroeste da Itália, vou reproduzir aqui a história contada nessa região.

A Itália como conhecemos só tem sua unificação formada em torno de 150 anos atrás.

O movimento de unificação é conhecido como Ressurgimento e aconteceu entre os anos 1815 e 1870.

Antes disso a Itália era dividida em vários territórios e entre eles o ducado de Savoia, onde surgiu nossa receita de hoje.

Mapa dos reinos e ducados da Itália por volta do século 15.

Pela metade dos anos 1.300, o rei da França estava em visita ao Piemonte (ducado de Savoia) e o duque Amedeo VI di Savoia, para recebe-lo, organizou um verdadeiro banquete.

Ele queria que fosse feito um biscoito marcante, diferente de todos os que já tinham no Piemonte.

Assim então nasceu esse biscoito de estrutura leve e aerada, que a partir desse jantar,  foi difundido por toda a Europa.

O nome “Savoiardi”, como é conhecido na Itália, é uma homenagem ao duque.

Mas na língua inglesa ele é conhecido como ladyfinger biscuit, ou biscoito champagne no Brasil



Receita de biscoitos Savoiardi

A receita é bem simples e rápida de ser executada, não requer muita habilidade culinária, apenas certo controle com o saco de confeitar.

 Ingredientes:

  • 60g de farinha de arroz;
  • 60g de açúcar refinado;
  • 2 ovos grandes (minimo de 50g cada um);
  • 1 pitada de sal;
  • 1 colher de café de essência de baunilha (opcional);
  • Açúcar de confeiteiro (opcional) para polvilhar;


Modo de Preparo

  1. Bater as gemas com o açúcar e a essência de baunilha até obter uma consistência cremosa;
  2. Peneirar a farinha e misturar bem com a gema e o açúcar batidos;
  3. Montar as claras em neve com uma pitada de sal;
  4. Misturar as claras ao resto dos ingredientes, de forma cuidadosa para não perder a aeração;
  5. Levar tudo para um saco de confeitar, fazer uma abertura circular de uns 2cm de diâmetro;
  6. Em uma forma com papel manteiga, montar os biscoitos, de forma alongada, espaçando 2cm entre cada um;
  7. Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus por aproximadamente 12 minutos (não deixar dourar demais);
  8. Pode-se polvilhar açúcar de confeiteiro ou servir assim mesmo;

 Rendimento: Aproximadamente 20 biscoitos savoiardi (depende do tamanho que forem moldados quando colocar na forma).

Gostou? Cadastre-se e receba nossas novidades: 

botao-de-inscricao

 


Faça sua receita, tire fotos e nos envie, teremos o prazer de postar em nossas redes sociais o resultado!


Já fez o download dos nossos e-books?

 São várias receitas sem glúten gratuitas para você!

Todas foram criadas ou adaptadas de versões com glúten e testadas até chegarmos numa textura e padrão ideal para fazerem parte destes dois e-books.

Clique nas capas e faça o download.


Pastel frito – Receita sem glúten e sem lactose!!

Quem nunca participou de um happy hour com pastel, chopp, e outros acompanhamentos?

Para os celíacos é um dos maiores desafios encontrar um pastelzinho saboroso pra acompanhar com happy hour (sem chopp, claro).

O pastel é um prato tipicamente brasileiro, sendo derivado do tradicional rolinho primavera da culinária chinesa.

Criado pelos imigrantes que tiveram de adaptar-se as matérias primas disponíveis no Brasil para fazer suas receitas.

A  popularização do pastel na cultura do brasileiro, veio através das mãos dos imigrantes japoneses que, por ocasião da II Guerra Mundial, vieram a abrir diversas pastelarias no intuito de se passarem por imigrantes chineses, livrando-se dessa forma, da discriminação que havia na época, contra a aliança entre alemães/italianos/japoneses.

Os princípios de manipulação e processamento de alimentos da culinária japonesa, foram introduzidos nas pastelarias, ao mesmo tempo em que os pastéis ganhavam o gosto popular, por serem produtos saborosos, de rápido consumo e principalmente baratos.

Em culinária, chama-se pastel a uma forma de preparar alimentos utilizando massa de farinha a que se dá a forma de uma caixa ou envelope, que se recheia e depois se frita ou assa no forno.

Muitas pessoas quando deixar de consumir o glúten por causa da doença celíaca ficam com alguns dos pratos tradicionais no imaginário, na esperança de um dia poder comer o mesmo sem glúten e equivalente em sabor a receita original.

Esses pastéis ficam sequinhos, crocantes e muito saborosos.

A massa é um pouquinho mais dificil de trabalhar do que a massa tradicional, por isso recomendo abrir um pouquinho mais grossa a massa na hora de fazer os pastéis


Quer aprender receitas de pães sem glúten com mix mais naturais e simples de se fazer em casa??? Esse e-book foi escrito pra você… 


 

Ingredientes:

  • 100g de farinha de arroz;
  • 100g de fécula de batata;
  • 6g de psillium;
  • 6g de farinha de ervilha;
  • 10g de sal;
  • 15g de azeite de oliva;
  • 2 ovos;
  • 2 colheres de sopa de cachaça;
  • água até dar ponto;

 Já fez o download do nosso ebook? São várias receitas sem glúten gratuitas para você!   São receitas de pães, pizza, doces e sobremesas. 


Modo de preparo:

1. Misturar bem os secos;
2. Adicionar os ovos;
3. Adicionar o azeite e a cachaça;
4. Ir adicionando água e misturando até dar ponto (eu usei +ou- 90ml de água)
5. Deixar a massa descansar por 1 hora antes de abrir;
6. Rechear conforme sua preferência e fechar a massa;
7. Fritar em oleo vegetal a 180 graus de temperatura;

Rende: 30 pastéis pequenos.

 

Gostou da receita? Cadastre-se e receba nossas novidades: 

botao-de-inscricao


Gostou do post?  Tem alguma dúvida? Deixe seu comentário no final do post que respondo o mais rápido possível.


_____________________________________
Pães e bolos - 01

Quer aprender receitas de pães sem glúten? Esse ebook tem 15 receitas de pães e 6 bolos sem glúten!!! 

____________________________________

Orelha de gato – Receita sem glúten e sem lactose!


Orelha de gato, cueca virada, crostoli, cavaquinho, cada um tem um nome para esse bolinho que é muito saboroso. Além de saboroso ele é bem fácil de ser preparado sem glúten e todo mundo adora. Segue a receita:

Ingredientes:

  • 200g do mix de farinha sem glúten;
  • 2 colheres de sopa de açúcar;
  • 1 ovo;
  • 1 colher de sopa de óleo de milho;
  • 1 pitada de sal;
  • 1/4 de xícara de leite vegetal de sua preferência;
  • 1/2 colher de chá de fermento químico;

Mix de farinha sem glúten:

Modo de preparo:

  1. Misture os ingredientes secos;
  2. Adicione o leite vegetal, o ovo e o óleo de milho;
  3. Misture bem ate formar uma massa uniforme
  4. Abra a massa com um rolo em uma mesa enfarinhada;
  5. Corte em retângulos, com um corte no meio.
  6. Enrole as pontas por dentro do corte para ficar no formato da foto.
  7. Fritar em óleo quente (175 graus);
  8. Passar numa mistura de açúcar e canela antes de servir;

Gostou da receita? Cadastre-se e receba nossas novidades: 

botao-de-inscricao


 Gostou do post? Fez a receita da orelha de gato? Tem alguma dúvida? Deixe seu comentário no final do post que respondo o mais rápido possível.


Já baixou nosso ebook? São várias receitas sem glúten gratuitas para você!

São receitas de pães, pizza, doces e sobremesas.